CredEx ViagensCredEx Viagens
Forgot password?

Activities in Paris

Things to Do

Museum of Modern Art

Ao longo da década de 20, três importantes patronos da arte, Miss Lillie P. Bliss, Mrs. Cornelius J. Sullivan, and Mrs. John D. Rockefeller II, perceberam que em Nova iorque havia carência de uma reviravolta nas políticas de conservação dos museus e no traço arquitetônico destes. Assim desencadeou-se uma instituição que dedica-se exclusivamente à arte moderna. Quando o MoMA foi fundado em 1929, o seu director era Alfred H Barr. Alfred não queria somente uma instituição que mostrasse a arte moderna aos nova-iorquinos, queria dedicar o espaço a novos artistas das novas correntes artísticas.

À abertura deste museu o público respondeu prontamente: em dez anos o MoMA tornou-se o museu mais em voga e, todos os dias, centenas de pessoas acorriam ao museu a fim de ver as «boas novas» das vanguardas. Após confirmar tanto sucesso Alfred Barr decidiu então dividir o museu em vários departamentos, os quais seriam comandados por outros directores, desta feita, especializados para o departamento. Daí apareceram os departamentos de Filmes e Vídeos, Fotografia, Pintura, Escultura, Desenhos e Imagens e livros ilustrados.

O museu teve, ao longo do tempo, várias ampliações. A maior, em 1984, foi levada a cabo por Cesar Pelli, que facilitou até o acesso aos visitantes do museu.

MORE

Central Park Passeio á pé

O Central Park é o maior parque urbano de Nova York e um dos maiores do mundo. Mede mais de 4 quilômetros de comprimento e 800 metros de largura.

Nos 340 hectares que o Central Park ocupa podemos encontrar pradarias, lagos artificiais, cascatas e áreas que parecem um autêntico bosque.  Dentro do próprio parque também se encontra o Zoo do Central Park e outras atrações.

Além de ser o principal pulmão de Manhattan, esse parque é um dos lugares preferidos dos nova-iorquinos para passear, tomar sol ou praticar esporte. Como curiosidade, é surpreendente ver muita gente correndo empurrando o carrinho de bebê

MORE

Crazy Horse Cabaret Show

Crazy Horse é um cabaré de Paris cujo espetáculo é executado por dançarinas seminuas.

Considerado um classicista na modernidade, em Crazy Horse, de Alain Bernardin, apresenta-se o ideal da beleza feminina de hoje, actualizando este conceito de acordo com a evolução ditada pelos criadores de sectores tão variados como a moda, os audiovisuais, o cinema e a publicidade.

Na Paris do pós-guerra, Alain Bernardin foi uma das personalidades que participou na reconstrução cultural da cidade das luzes, reconduzindo-a ao prestígio internacional de outrora.

A sua contribuição baseou-se na concretização do sonho de homenagear a beleza do corpo feminino que ele, desde cedo, venerava.

A partir da descoberta dos números de striptease norte-americano, e com o apoio de Bing Crosby, comprou um teatro de 15 por 10 metros na Avenida George V, decorou-o ao estilo dos saloons do oeste americano e batizou-o de Crazy Horse em memória de um guerreiro índio.

Com uma inauguração de luxo a 19 de maio de 1951, o Crazy Horse esteve desde o começo votado ao sucesso, atraindo muitos famosos como Alain Delon, Jean-Paul Belmondo, Salvador Dalí, Tony Curtis, Aristóteles Onassis e Maria Callas, Sammy Davis Jr, Burt Lancaster, Karl Lagerfeld, Prince, entre muitos outros.

Mais recentemente, alguns estilistas, como Paco Rabanne, Loris Azzaro, Azzedine Alaia e Jean-Claude Jitrois, quiseram associar-se ao conceito Crazy Horse, contribuindo com os seus desenhos.

MORE